Vacina Anti-cio – Leia antes de decidir e ofereça o melhor para seus pets!

A Vacina Anti-cio é um medicamento injetável usado para evitar que cadelas e gatas entrem no cio.

A Vacina Anti-cio na verdade não é exatamente uma vacina e sim uma injeção de hormônios que impedem a ovulação, ou seja, um anticoncepcional.

Esta vacina pode ser uma opção para pessoas que não querem castrar seus bichos de estimação, seja pelo custo de uma cirurgia ou por acharem que elas podem sofrer com a castração.




A Página do Pet no entanto alerta que a Vacina Anti-cio pode ser utilizada por um ou dois cios, mas que o ideal realmente é a castração.

Sabemos que controlar a natalidade dos animais de estimação pode ser um desafio e até dispendioso, mas a Vacina Anti-cio não é uma boa opção.

Os possíveis efeitos colaterais da Vacina Anti-cio são bem arriscados para a saúde de sua cadela ou gatinha.




O uso da Vacina Anti-cio aumenta a incidência de tumores nas fêmeas. Já a castração,  diminui a incidência de tumor de mama principalmente quando realizada nos primeiros anos de vida.

Outra boa notícia é que a castração também previne quase todos os outros tumores e doenças relacionadas ao sistema reprodutor em cadelas e gatas.

Vacina Anti-cio – fghj

Vacina Anti-cio
Vacina Anti-cio

O que é a Vacina Anti-cio ?

A Vacina Anti-cio na verdade uma injeção de hormônios que impedem a ovulação, ou seja, na verdade é anticoncepcional.

Como Funciona a Vacina Anti-cio ?

O objetivo da Vacina Anti-cio é suprimir o cio como um todo, desde a aceitação e desejo sexual até o sangramento indicativo de cio.




A vacina Anti-cio funciona inibindo a fase estro do cio das gatas e cadelas. Ela diminui a frequência do pulso de liberação de hormônios essenciais na maturação dos folículos e na ovulação, o gonadotrofina, o luteinizante e o folículo estimulante.

Para a eficácia é preciso aplicar na fase correta do cio, a fase estro, o que complica muito o uso da Vacina Anti-cio.

Vacina Anti-cio é Segura ?

A Vacina Anti-cio não é uma opção segura para evitar a prenhez de gatinhas e cadelas.




O remédio cumpre seu papel, mas às custas de efeitos colaterais graves, como o aumento da formação de tumores de mama e o risco de infecção uterina.

A maioria das pessoas aplicam o remédio por conta própria, ou levam a cadela para a aplicação quando ela já está no cio, o que pode aumentar o risco dos efeitos colaterais e até levar ao aborto em caso de cadelas que já estão prenhes sem o dono saber.

Mesmo com a Vacina Anti-cio aplicada no tempo correto, a fase estro, o risco de câncer de mama e infecção continua alto, além de outas infecções uterinas.

Efeitos colaterais dos Anticoncepcionais em Cadelas

A Vacina Anti-cio tem uma série de possíveis efeitos colaterais. Estudos indicam que de 10 cadelas tratadas com anticoncepcionais, nove desenvolveram Piometra, uma grave infecção uterina que a Página do Pet já detalhou.

Outras alterações uterinas também foram constatadas em gatas que usaram a Vacina Anti-cio.




É possível perceber que a própria bula do medicamento relata contraindicações.

Alguns efeitos nocivos dos anticoncepcionais em cadelas e gatas são:

  • Tumores de mama
  • Infecções e tumores uterinos
  • Tumores em ovários
  • Doenças endócrinas
  • Hiperplasia mamária
  • Morte fetal

Quais os Cuidados ao dar a Vacina Anti-cio ?

A primeira sugestão é, se você quer controlar a natalidade de seus bichos de estimação, pense seriamente em castrá-los.




É uma solução com baixíssimo risco, de recuperação rápida e bem mais barata do que você pensa.

Se a Vacina Anti-cio for sua opção, converse com um médico veterinário que pode lhe garantir que sua gatinha ou cadela receberá o medicamento na fase cera do ciclo.

Devemos Evitar o Cio de nosso Cachorro ?

Um dos motivos de os donos escolherem a Vacina Anti-cio é para não sofrer os efeitos indesejados do ciclo reprodutivo de seus animais.

Sejam sangramentos, a alteração no comportamento, o inconveniente de atrair os machos que se aglomeram no portão de casa…




Mas a maior procura pela Vacina Anti-cio é para evitar crias indesejadas.

A população de cães e gatos, abandonados que vivem pelas ruas é enorme e tem crescido ao longo dos anos.

Animais abandonados e sem lar podem ser um perigo para a saúde de pessoas e outros animais de estimação, podem transmitir doenças como a raiva.

Além disso os animais que vivem na rua tem uma péssima qualidade de vida, sem comida regular, acesso a água, proteção à chuva e ao frio, maus tratos…

Estudos já publicados indicaram que os animais de rua têm uma expectativa de vida menor, cerca de 51% dos gatinhos de rua morre antes dos 6 meses de vida.

As causas mais comuns de morte são o trauma devido a ataques de cães ou acidentes com carros.