Lúpus Canino – Saiba como tratar seu bichinho e dar uma vida saudável e feliz a ele

O Lúpus Canino, que pode ser  Lúpus Discoide ou Lúpus Eritematoso Sistêmico, é uma doença multissistêmica, de base auto-imune, que afeta vários órgãos e tecidos, provocando vários sinais clínicos.

Não existe nenhum exame definitivo que confirme a presença do Lúpus Canino, tratando-se de um diagnóstico principalmente clínico, realizado por um médico veterinário.

As causas ainda são desconhecidas, mas já se sabe que a doença causa uma disfunção no sistema imune dos cães em decorrência de fatores genéticos e ambientais, produzindo anticorpos contra diversos tecidos e células do organismo.




A base do tratamento são os imunossupressores.

 

Saiba tudo sobre o Lúpus nos cães e proteja seu bichinho de estimação!
Saiba tudo sobre o Lúpus nos cães e proteja seu bichinho de estimação!

O que é Lúpus Canino

No Lúpus Canino formam-se anticorpos criados pelo corpo que causam lesões inflamatórias nos tecidos – glomerulonefrite, artrite e vasculite-  bem como anticorpos contra células hematopoiéticas – anemia, trombocitopenia e leucopenia.




É uma doença que pode causar várias outras síndromes clínicas como a poliatrite, glomerulonefrite, anemia hemolítica, trombocitopenia e alterações cutâneas. Muito raramente, pode provocar pleurite, miocardite e afetar o Sistema Nervoso Central.

Algumas raças têm predisposição a terem a patologia, em especial, acima dos 6 anos de idade:

  • Afegão
  • Beagle
  • Setter Irlandês
  • Collie
  • Bobtail
  • Caniche
  • Pastor Alemão

Causas da Lúpus Canino

As causas para esta doença ainda é desconhecida, podendo ser tanto por condições genéticas quanto ambientais.




Alguns especialistas acreditam que uma das causas é a hereditária e que os cães já seriam geneticamente predispostos a desenvolverem um dos tipos de lúpus.

Acrescente-se a isto os fatores ambientais como luz solar e produtos químicos podem contribuir para o desenvolvimento.

Principais Sintomas do Lúpus Canino

Os sinais clínicos do Lúpus Canino estão associados aos diferentes órgãos afetados. A princípio, são sintomas locomotores com alterações no andar, claudicação intermitente e recorrente (o cachorro manca, anda com dificuldade), causadas pela polimiosite e/ou poliatrite (75%), dor muscular na palpação e debilidade.

Sintomas do Lúpus Canino Eritematoso Sistêmico

Os sinais clínicos são muitos e variam de leves a graves dependendo dos órgãos afetados. Quando se fala em Lúpus Eritematoso Sistêmico os principais sintomas são:




  • Artrite
  • Claudicação (o cão manca)
  • Inflamação das articulações e músculos, inclusive o do coração
  • Lesões e infecções de pele
  • Perda de pelo
  • Febre
  • Gengivas pálidas
  • Aumento da micção

Por afetar ainda as articulações e músculos, o animal pode tornar-se letárgico e, quando atinge órgãos importantes do corpo, pode levar à anemia, anorexia, confusão, convulsões e a um aumento do fígado, baço e linfonodos, confusão e convulsões.

Sintomas da Lúpus Canino Discóide

Os principais sintomas do Lúpus Discoide são:




  • A pele afetada, em especial na face e focinho
  • Lesões e feridas causando uma mudança na aparência da mesma e despigmentação do nariz
  • Aos poucos, a pele das áreas afetadas pode começar a descamar
  • Com frequência, aparecem úlceras.
O Lúpus Canino pode ser Eritematoso Sistêmico ou Discóide.
O Lúpus Canino pode ser Eritematoso Sistêmico ou Discóide.

Como Diagnosticar o Lúpus Canino

Os sinais clínicos são tão variados que é comum que seja confundido com muitas outras doenças. O diagnóstico é realizado basicamente através do histórico clínico do animal juntamente com uma rigorosa bateria de exames laboratoriais, tais como:




  • Hemograma
  • Leucograma
  • Exame de urina
  • Teste de anticorpos antinucleares
  • Teste de imunofluorescência
  • Biópsia da pele para diagnosticar a doença.

Existem critérios diagnósticos a serem observados pelo médico veterinário:

  • Sinais Principais: Lesões cutâneas, poliatrite, anemia hemolítica, glomerulonefrite, polimiosite, leucopenia e trombocitopenia
  • Sinais Menores: Febre, sinais neurológicos, úlceras orais, linfadenopatia, pericardite e pleurite
  • Sorologia: Medição de anticorpos antinucleares (ANA) positivo, células de Lúpus
  • Diagnóstico: Dois sinais principais com ANA positivo e/ou células de Lúpus, ou um sinal principal, dois sinais menores com ANA positivo e/ou células de Lúpus
  • Diagnóstico Provável: Um sinal principal com ANA positivo e/ou células de Lúpus, ou dois sinais principais com ANA e células de Lúpus negativo

Tratamentos para a Lúpus Canino

Infelizmente, ainda não há cura!! Mas seus sintomas e complicações podem ser atenuados com tratamento apropriado.




O tratamento é em grande parte determinado por fatores como: órgãos afetados pela doença, sua gravidade, estado geral de saúde e bem-estar do animal.

Para tratar o Lúpus Canino deve-se administrar prednisona em doses imunossupressoras.  Após os sinais regredirem, as doses deverão ser diminuídas o máximo possível.

Pode-se ainda administrar AAS (10-20 mg/kg), como tratamento sintomático, somente se não existir trombocitopenia.

Outras opções são o uso de anti-inflamatórios esteroidais ou não esteroidais, suplementação de vitamina E e em casos muito graves, a internação inicial para equilibrar o metabolismo animal, pode ser necessária .

Remédios para Lúpus Canino

  • Glucocorticóides
  • Suplementos
  • AAS
  • Prednisona
  • Anti-inflamatórios esteroidais
  • Anti-inflamatórios não esteroidais

Veja também gatos com síndrome de donw.

Após consultar seu veterinário e ele receitar o melhor remédio, o Mercado Livre possui vários, contudo a pesquisa é a melhor economia.